Atlântida Civilização Perdida

Atlântida Civilização Perdida – Há 10.000 anos teria existido uma civilização muito mais avançada, tanto na sua tecnologia, quanto em seus costumes e leis. Existiu de fato? Há evidências claras de que teria existido tal civilização, dotada de tecnologia avançadíssima e conhecimento muito superior à nossa, das nossas gerações (e provavelmente de gerações futuras, também)

Um grande mistério que, ainda nos dias de hoje, faz com que muitos cientistas e pesquisadores sérios procurem por suas ruínas.

A história está cheia de mistérios inexplicáveis. Desde os desaparecimentos no Triângulo das Bermudas até a cidade perdida de Atlântida, existem apenas especulações.

Mas o progresso da ciência e da tecnologia pode trazer à luz novas evidências, nos levar mais perto da verdade e descobrir respostas para as perguntas mais antigas da humanidade.

Conheça junto à equipe de Mysteryquest – History Channel (que teve a infeliz ideia de retirar os vídeos que cedera para compartilhamento. Se era para não poder reproduzir depois em outros sites e blogs, porque deixou o código embeb em seu portal??? Bem, vamos nos ater à postagem, não é só Atlântida um mistério, as pessoas fazem coisas esquisitas sempre) – a polêmica e impressionante história de Atlântida Civilização Perdida.

Para quem é fascinado pelo assunto vida alienígena, pense nisso: e se ao invés de uma ilha, Atlântida fosse na verdade uma base extraterrestre? Dá para entender o porque, então, não é possível localizá-la, apesar dos avanços tecnológicos, como sonares e radares de última geração.

Há muita coisa a ser redescoberta, entre elas civilizações que, há milhares de anos, já eram muito mais evoluídas do que a nossa de hoje. Daí, surge a questão: porque sucumbiu? A natureza? A ganância, através do desmatamento, mineração, ou talvez guerras com armas que destruíram toda uma civilização?.

 

Pena o History Channel ter retirado o compartilhamento de seus belos documentários. Agora, para assisti-los, é necessário pagar, porque é canal pago. Além disso, não levaram em conta a enorme quantidade de fãs que o canal poderia ir construindo, por compartilhar seus conteúdos (documentários), principalmente levando-se em conta que, somente nas grandes capitais, regiões metropolitanas (se tanto!), possuem TV a cabo.




Aurelio Martuscelli

Blogueiro por devoção, aprendiz de designer e amigo :-)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *